Ciclo de Cinema MFF

MFF Film Week
11 – 18 OUTUBRO / OCTOBER
LOCAL / PLACE: Centro Cultural Franco Moçambicano
Os filmes apresentados neste Ciclo procuram contribuir para a reflexão em torno dos tópicos temáticos desta edição do MFF. A diversade de proveniências reflecte o carácter global das preocupações com a questão da identidade e da mobilidade no séc. XXI e a variedade dos estilos e formatos espelham a multiplicidade das abordagens criativas possíveis. A curadoria do Ciclo de Cinema MFF é da responsabilidade de Khalid Shamis (realizador, editor e fundador da Tuba Films – Cape Town, África do Sul).

The films selected to be part of this Program were chosen having in mind the theme of this year’s festival. The diversity of the films aims to reflect both the global concerns with the topics of identity and mobility as well as showcase the many different creative approaches that are being used to tackle these issues. MFF Film Week was curated by Khalid Shamis (director, editor and founder of Tuba Films – South Africa)

UMA REFLEXÃO EM TORNO DOS TÓPICOS TEMÁTICOS DESTA EDIÇÃO DO MFF

A REFLECTION AROUND THE THEMATIC TOPICS OF THIS MFF EDITION

A DANÇA DAS MÁSCARAS

THE SOUND OF MASKS

 

16 OUTUBRO / OCTOBER
LOCAL / PLACE: Centro Cultural Franco Moçambicano
HORÁRIO / TIME: 19.00 h / 7.00 pm

 

Realização / Direction: Sara CF de Gouveia
Produção / Production: Lionfish Productions and Ukbar Filme
Duração / Running time: 70 min
País / Country: Mozambique
Documentário / Documentary
Entrada / Entrance: 150,00 Mzn

 

DESCRIÇÃO / DESCRIPTION:

 

Atanásio Nyusi, um envolvente contador de histórias e lendário dançarino de Mapiko, leva-nos numa viagem surreal que entrelaça a política do passado colonial de Moçambique e do seu presente. Usando música, dança e o corpo como arquivo, experimentamos a fealdade da guerra através da beleza da dança e da poesia. Durante a governação portuguesa, o Mapiko era frequentemente usado como intervenção social em contestação à colonização. Os 10 anos de Guerra pela Independência contra os portugueses fez com que esta dança parasse por alguns anos. A dança Mapiko, no entanto, resurgiu após o fim da guerra civil que se seguiu à independência do país. Hoje, celebra a liberdade, a identidade cultural e a memória coletiva. Como diz o próprio Atanásio, «a dança está ligada à dominação e, portanto, à história, a guerra e a cultura estão interligadas. São inseparáveis ​​». Através do seu trabalho, Atanásio teve um papel importante na promoção do Mapiko como uma forma de arte contemporânea. Como artista, mas também como guardião da memória, enfrenta agora o desafio de transmitir o seu conhecimento ao seu filho Natepo. Misturando imagens observacionais, material de arquivo e sequências de dança contemporânea, o filme cruza o limiar entre o real e o imaginário. Esses dois mundos de histórias paralelos entrelaçam-se criando uma narrativa visual ligando passado e presente num país radicalmente mutável.

 

Atanásio Nyusi, a compelling storyteller and legendary Mapiko dancer, takes us on a surreal journey interweaving the politics of Mozambique’s colonial past and its present. Using music, dance and the body as archive, we experience the ugliness of war through the beauty of dance and poetry. During Portuguese rule Mapiko was often used as social commentary to challenge colonization. The 10 year Independence War against the Portuguese stopped this dance for a few years. Mapiko has however seen a revival since the end of the civil war that followed the country’s Independence. Nowadays, it celebrates freedom, cultural identity and collective memory. As Atanásio himself says, «the dance is linked to the domination, and so history, war and culture are all linked. They are inseparable». Through his work, Atanásio has had an important role in promoting Mapiko as a contemporary art form. As an artist but also as a memory keeper, he now faces the challenge to transmit his knowledge to his son Natepo. Blending observational footage, archive material and contemporary dance sequences, the film crosses the threshold between real and imaginary. These two parallel story-worlds are interwoven creating a visual narrative linking past and present in a radically shifting country.

BURKINABE

BURKINABE

 

17 OUTUBRO / OCTOBER
LOCAL / PLACE: Centro Cultural Franco Moçambicano
HORÁRIO / TIME: 19.00 h / 7pm

 

Realização / Direction: Nthato Mokgata & Carla Fonseca
Produção / Production: Teka Films/ Goethe-Institut Ouagadougou
Duração / Running time: 75 min
País / Country: África do Sul/Burkina Faso
Entrada / Entrance: 150,00 Mzn

 

DESCRIÇÃO / DESCRIPTION:

 

” O TEU CORPO PODE VIAJAR PARA LONGE DE CASA, MAS A TUA ALMA PERMANECE.”

Mariam regressa ao Burkina Faso depois de ter saído, enquanto criança, ao ser adoptada e enviada para a África do Sul, onde sempre se sentiu deslocada. É agora uma jovem adulta, doente, e regressa à sua terra natal para passar os seus últimos dias na terra dos seus antepassados.
Desconhece a língua, a cultura ou as normas. Procura reconectar-se com a sua família e com as suas raízes. Enquanto tenta descobrir como chegar à sua aldeia natal, encontra e faz amizade com um carismático estafeta de bicicleta/motorista de táxi, Moussa, que se oferece para levá-la para o sul alegando bom conhecimento do país e do lugar exacto da sua aldeia.
Moussa vive uma vida agitada na cidade. Leva uma vida solitária com muitas dificuldades financeiras e afastado da sua família que habita numa aldeia remota.
Moussa aparenta ter tudo sob controle, escondendo as suas dificuldades com o seu charme, carisma e estilo.  À medida que as suas dívidas aumentam, Moussa torna-se cada vez mais paranóico em Ouagadougou. Precisa sair.
Moussa e Mariam embarcam numa viagem de autoconhecimento.

 

“YOUR BODY MAY LEAVE HOME, BUT NEVER YOUR SPIRIT.”

Mariam, returns to Burkina Faso after having left as a young child who was adopted and sent out of the country to South Africa, where she always felt alien. She returns as an ailing young adult to the land of her birth on a journey of self discovery, to spend her last days in the land of her forefathers. She does not know the language, culture, or norms. She is on a quest to reconnect with her family and her roots. While trying to figure out how to get to her native village, she encounters and befriends a charismatic bike messenger/taxi driver, Moussa, who volunteers to take her South, claiming good knowledge of the country and the exact place of her village. A city slicker bike messenger, Moussa, is living a fast paced life in the city. His life is lonely as the debt is building up and he is estranged from his family living in a remote village. Outwardly Moussa seems in control, hiding behind his charm, charisma and style. Moussa grows increasingly paranoid in Ouagadougou as his debts mount up. He needs to get out. Moussa and Mariam take to the open road on a journey of self discovery.

ENTRE EU E DEUS

BETWEEN GOD AND ME

 

14 OUTUBRO / OCTOBER
LOCAL / PLACE: Centro Cultural Franco Moçambicano
HORÁRIO / TIME: 17.00 h / 5 pm

 

Realização / Direction: Yara Costa
Produção / Production: YC Films, Lda
Duração / Running time: 60 min
País / Country: Moçambique / Mozambique
Entrada / Entrance: 150,00 Mzn

 

DESCRIÇÃO / DESCRIPTION:

 

Karen é uma jovem muçulmana, da Ilha de Moçambique, local histórico de confluência de culturas e onde até recentemente, um “Islão africano” coexistia harmoniosamente com outras práticas religiosas. Karen está agora a descobrir-se no que chama de “Islão puro” vindo da Arábia Saudita e quer ver Moçambique tornar-se num estado islâmico. “Entre  Eu e Deus” mergulha na  vida desta jovem moçambicana para desvendar o que está por detrás do véu com  o qual se cobre,  suas dúvidas e contradições sobre o caminho radical que defende.

 

In her historical multicultural Island with deeply rooted traditions, a moderate Islam has so far harmoniously coexisted with other religions. But Karen`s “pure Islam” doesn`t tolerate the old cultural practices and traditions. Through an intimate glimpse of Karen`s life, Between God and I, sheds light into the humanity of young women who are making radical religious choices and its implications in a broader context of religious conflicts.

RESGATE

REDEMPTION

 

18 OUTUBRO / OCTOBER
LOCAL / PLACE: Centro Cultural Franco Moçambicano
HORÁRIO / TIME: 19.00 h / 7pm

 

Realização / Direction: Mickey Fonseca
Produção / Production: Mickey Fonseca, Pipas Forjaz
Duração / Running time: 100 min
País / Country: Moçambique / Mozambique
Drama
Entrada / Entrance: 150,00 Mzn

 

DESCRIÇÃO / DESCRIPTION:

 

Após 4 anos de prisão, BRUNO (34) é um homem livre, e está de regresso à cidade de Maputo, junto a namorada Mia e filha. 
Arranja emprego num sucateiro, e vive uma vida honesta, quando subitamente é surpreendido por uma intimação bancária, referindose a um empréstimo, que sua falecida mãe havia contraído. Ou ele paga, ou perda a casa.  Determinado a manter a casa e a dignidade de sua mãe, sem alternativa, envolve-se com a sua antiga gangue, e logo vê-se envolvido numa teia de sequestros, beneficiando a um chefe implacável.
Pressionado, Bruno elabora um plano que afronta ao chefe, e coloca a vida de sua família em perigo.

 

After 4 years in prison, BRUNO (34) is finally a free man and back in Maputo city, with beloved girlfriend Mia and their baby.
He finds a job at a scrapyard, and lives an honest life when suddenly, he’s  surprised by a bank summons referring to a loan his late mother took. He must pay, or the bank will foreclose on his house. Determined to keep the house and his mother’s dignity, he sees no choice, but to do a few odd jobs with his old gang, and soon finds himself embroiled in a web of kidnaps, benefiting a ruthless boss.
Pressured, he comes up with a plan that enrages the boss, putting his family in danger.

.

BLACK MOTHER

BLACK MOTHER

 

14 OUTUBRO / OCTOBER
LOCAL / PLACE: Centro Cultural Franco Moçambicano
HORÁRIO / TIME: 19.00 h / 7pm

 

Realização / Direction: Khalik Allah
Produção / Production: Cinereach, Khalik Allah, Leah Giblin
Duração / Running time: 77 min
País / Country: EUA/USA
Entrada / Entrance: 150,00 Mzn

 

DESCRIÇÃO / DESCRIPTION:

 

“Mãe Negra” é uma declaração de amor audiovisual à Jamaica.
Parte filme, parte batismo, em “Mãe Negra”, o realizador Khalik Allah leva-nos numa viagem espiritual pela Jamaica. Capturando as metrópoles movimentadas e as zonas de campo tranquilas, Allah introduz-nos a uma sucessão de personagens, vividamente retratados, que chamam esta ilha de casa. Os seus testemunhos, candidos e genuínos, criam uma sinfonia polifónica que estabelecem um poderoso contraponto ao retrato indelével que faz da ilha, retrato esse que é uma verdadeira oração visual. Viajando entre o sagrado e profano,  “Mãe Negra” consegue canalizar a rebeldia e a espiritualidade, que marcam a história da ilha, dando ao filme o cunho de uma verdadeira ode pessoal.

 

Black Mother is an audio-visual love letter to Jamaica.

Part film, part baptism, in Black Mother director Khalik Allah brings us on a spiritual journey through Jamaica. Soaking up its bustling metropolises and tranquil countryside, Allah introduces us to a succession of vividly rendered souls who call this island home. Their candid testimonies create a polyphonic symphony, set against a visual prayer of indelible portraiture. Thoroughly immersed between the sacred and profane, Black Mother channels rebellion and reverence into a deeply personal ode informed by Jamaica’s turbulent history but existing in the urgent present.

.

FILMinhos - Movimento e Migração

FILMinhos – Movement and Migration

 

16 OUTUBRO / OCTOBER
LOCAL / PLACE: Centro Cultural Franco Moçambicano
HORÁRIO / TIME: 17.00 h / 5.00 pm

 

Duração / Running time: 77 min
País / Country: Moçambique / Mozambique
Curtas metragens / Short films
Entrada / Entrance: Gratuita / Free entrance

 

DESCRIÇÃO / DESCRIPTION:

 

O Festival MFF organizou, pela primeira vez este ano, o FILMinhos, um concurso de curtas metragens para jovens realizadores Moçambicanos.
Concebido e coordenado por Khalid Shamis, realizador, editor e fundador da produtora Tuba Films (África do Sul) – e curador do ciclo de cinema MFF –  o concurso foi direccionado a jovens realizadores ou aspirantes a realizadores de nacionalidade Moçambicana.
Nesta sessão serão apresentados os filmes seleccionados neste concurso.

 

MFF Festival organized this year, for the first time, FILMinhos, a short films competition for young Mozambican directors or aspiring directors. FILMinhos was conceived and coordinated by Khalid Shamis, director, editor, founder of Tuba Films (South Africa) and curator of the MFF 2019 Film Week.
In this session will be shown the films selected from the competition.

PATROCINADORES

Sponsors

 

SOBRE O MAPUTO FAST FORWARD

About Maputo Fast Forward
O Maputo Fast Forward é uma plataforma dedicada à Criatividade e à Inovação em Moçambique. O seu objectivo é ser um espaço de referência dedicado, à reflexão, ao debate, à apresentação de projectos e ideias, à análise de tendências, à troca de experiências e à constituição de redes entre todos aqueles que, das artes às ciências, da tecnologia ao design, da arquitectura aos media, da gastronomia à moda, das empresas às organizações sociais, reconhecem na criatividade e na inovação os motores da nova economia do conhecimento.

MFF was launched in 2016 as an open platform engaged in promoting creativity and innovation. Its main objective is to help Mozambican creators and innovators across all fields of activity (arts, culture, design, architecture, technology, etc.) to develop and present their projects, engage in fruitful trans-disciplinary debates and develop collaborations in order to establish an ecosystem that will allow them to expand their creative skills and to participate, through the exploration of networking opportunities, in the “global conversation” that is taking place within the “creative industries” sector.

 

maputofastforward.com

UMA INICIATIVA DA