Quiralidade

– A consciência da migração e a sua influência na identidade
Chirality – The consciousness of migration and its influence on identity
23 OUTUBRO / OCTOBER → 11 NOVEMBRO / NOVEMBER
LOCAL / PLACE: 16 Neto
ARTISTAS / ARTISTS: Visualst, Lula Arte Viva, Maisa Chaves, Marcelino Manhula, Ana Mosquera
CURADORIA / CURATED: Visualst
SOBRE A EXPOSIÇÃO

 

A palavra quiralidade deriva da palavra Grega kheir , a qual significa mão. As mãos e os pés humanos são quirais: independemente da sua posição não são nunca sobreponíveis. São formas que, embora possuam uma mesma configuração operam entre si como um espelho, isto é, a sua simetria não é sobreponível. Tal como as nossas mãos, os compostos moleculares evidenciam também o mesmo tipo de propriedade: uma simetria espelhar a qual, no entanto, se sobreposta, se torna assimétrica.

LER MAIS ↓
A exposição “Quiralidade” explora a ideia da “identidade pessoal” como uma imagem que espelha o ambiente que nos envolve, tanto no que diz respeito ao ambiente físico como ao digital, procurando demonstrar a dicotomia existente entre as similitudes das nossas aparências e as realidades assimétricas que enformam a nossa singularidade individual.

As seis obras que constituem esta exposição propõem uma abordagem reflexiva, porém crítica, de como os dados e o movimento definem as nossas identidades. Irreverentes, provocativas e não convencionais, estas obras levam-nos a desafiar os nossos preconceitos sobre os dados e a olhar a humanidade por detrás destas novas tecnologias que registam e acompanham cada movimento nosso. Os artistas participantes desafiam a inépcia da nossa cultura em capturar esta erosão perceptiva e dão-nos um testemunho de como esta jornada incorpora a diversidade.

 

A exposição constrói-se em torno de três tópicos: 

 

IDENTIDADE

A identidade é a forma como nos distinguimos e nos expressamos. Os factores e as condições com que cada individuo nasce – como a herança étnica, o sexo, ou o próprio corpo – desempenham, geralmente, um papel na definição da identidade de uma pessoa. No entanto, muitos aspectos da identidade de uma pessoa mudam ao longo da vida. As viagens podem alterar a maneira como as pessoas se vêem ou são percebidas pelos outros. A nossa identidade – quem somos, o que defendemos e como cada uma das fronteiras invisíveis (países, dinheiro, sexo e vulnerabilidade) nos separa e nos une – é um mapa em movimento constante

DADOS

À medida que a inércia da revolução dos dados cresce, torna-se claro que é uma infraestrutura vital: as nossas redes sociais, cultura pop e sistemas de informação funcionam em camadas de dados que tanto ajudam, como dificultam as nossas identidades. Precisamos abordar questões como ética e equidade, se quisermos ter confiança nos dados.

VIAGENS

Movimentos e viagens ajudam-nos a revelar essa mudança de consciência tanto em Moçambique como no mundo global. A nossa identidade não é limpa, é confusa e complicada. Em constante evolução. Esta exposição revela as linhas combinadas entre cada identidade e cada ponto de dados, as histórias por trás delas e as conexões entre as histórias que nos ligam.

ABOUT THE EXHIBITION

 

The word “chirality” comes from the Greek word kheir, meaning “hand.” Human hands and feet are chiral: regardless of how you orient them, they resist superimposition. They are defiant forms that, while mirroring each other, refuse to overlap symmetrically.  Like our hands, these molecular compounds are symmetrical mirror images of each other but if layered one atop the other, their relationship becomes asymmetrical.

READ MORE ↓
Chirality represents the exploration of personal identity as a mirror image of our surroundings, both the structural environment and the digital influencers and networks that curate the mirrors of initiation. Chirality also demonstrates the dichotomy between similar appearances and asymmetrical realities of our uniqueness.

The six-piece exhibition will be a reflective yet critical approach to how data and movement define our identities. Irreverent, provocative, and unconventional, the pieces will ask us to challenge our preconceptions of data and consider the humanity behind new technologies that track our every movement. Participating artists challenge the ineptitude of our culture’s capabilities to capture the grandiose erosion, and persuade us that the same journey still embodies diversity.

 

The exhibition will address three topics:

IDENTITY

Identity is the way we perceive and express ourselves. Factors and conditions that an individual is born with—such as ethnic heritage, sex, or one’s body—often play a role in defining one’s identity. However, many aspects of a person’s identity change throughout life. People’s journeys can alter how they see themselves or are perceived by others. The global identity of who we are, what we stand for, and how each of the invisible borders of countries, money, sex, and vulnerability separates and joins us together.

DATA

As the data revolution inertia grows it is becoming clear that it is vital infrastructure – our social networks, pop culture, and information systems function on layers of data which help, as well as hinder, our identities. We need to tackle issues like ethics and equity if we are to have trust in data.

JOURNEYS

Movement and journeys help us reveal this shifting consciousness both in Mozambique and globally. Our identity is not clean-cut, it’s messy and complicated. Constantly evolving. This exhibition reveals the blended lines between each identity and each data point, the stories behind them, and the connections between those stories that bind us.

SOBRE OS ARTISTAS:

 

Lulu Arte Viva é um artista autodidacta de Moçambique que usa o trabalho em arame sobre a sua pintura para transmitir movimento e comunicar como interpreta os desafios sociais que Moçambique enfrenta e o seu amor pelo seu país.

 

Maisa Chaves experimenta constantemente textura e cor, usa a tinta para captar a complexidade e identidade por trás de Moçambique nas suas ilustrações, elemenTos a que ela mesma foi exposta ao crescer em Moçambique.

 

Marcelino Manhula deixou Moçambique em busca da sua própria identidade e encontrou-a na Cidade do Cabo. Com o conceito de “estrangeiro” pressionando a sua mente, usa mosaicos para explorar quem ele é como artista e como migrante.

 

Ana Mosquera, “sem País”, devido à situação política na Venezuela, recolhe dados de refugiados venezuelanos usando grupos no Facebook que foram criados para trocar dinheiro, apoiar e comunicar entre si e saber como atravessar fronteiras legal ou ilegalmente. Ela representa estas viagens usando tecido e técnicas de tecelagem para criar mantas de dados.

 

A Visualst é uma empresa de design de dados de interesse público sediada em Maputo. Os trabalhos aqui apresentados pretendem traduzir a ideia de que a representação visual de dados incorpora necessariamente uma dimensão estética e artística.

ABOUT THE ARTISTS

 

Lulu Arte Viva is a self-taught artist from Mozambique who uses wirework against his paintings to convey movement and communicate how he interprets the social challenges Mozambique faces and his love for his country.

 

Maisa Chaves is constantly experimenting with texture and color, using ink to capture the complexity and identity behind Mozambique in her illustrations that she herself was exposed to growing up in Mozambique.

 

Marcelino Manhula left Mozambique in search of his own identity and found himself in Cape Town. With the concept of “foreigner” pressing against his mind, he uses mosaics to explore who he is as an artist and as a migrant.

 

Ana Mosquera, “countryless” due to Venezuela’s political landscape, collects Venezuelan refugee data using Facebook groups that were created to exchange money, support, and to communicate to each other how to cross borders illegally or legally. She traces these journeys using fabric and weaving techniques to create data quilts.

 

Visualst is a public-interest data design firm based in Maputo. The works here presented are a representation of the concept that data is art and, in this sense, involve an aesthetic and artistic approach in their visualization.

PATROCINADORES

Sponsors

 

SOBRE O MAPUTO FAST FORWARD

About Maputo Fast Forward
O Maputo Fast Forward é uma plataforma dedicada à Criatividade e à Inovação em Moçambique. O seu objectivo é ser um espaço de referência dedicado, à reflexão, ao debate, à apresentação de projectos e ideias, à análise de tendências, à troca de experiências e à constituição de redes entre todos aqueles que, das artes às ciências, da tecnologia ao design, da arquitectura aos media, da gastronomia à moda, das empresas às organizações sociais, reconhecem na criatividade e na inovação os motores da nova economia do conhecimento.

MFF was launched in 2016 as an open platform engaged in promoting creativity and innovation. Its main objective is to help Mozambican creators and innovators across all fields of activity (arts, culture, design, architecture, technology, etc.) to develop and present their projects, engage in fruitful trans-disciplinary debates and develop collaborations in order to establish an ecosystem that will allow them to expand their creative skills and to participate, through the exploration of networking opportunities, in the “global conversation” that is taking place within the “creative industries” sector.

 

maputofastforward.com

UMA INICIATIVA DA